ADN – Chave de Leitura do Território

 

Elementos de União / Denominadores Comuns

  • Concelhos de Montanha

  • Recursos Paisagísticos

  • Freguesias predominantemente Rurais (conceito lato)

  • Terras de Chanfana, Cabrito, Castanhas e Mel [Urze];

  • Artesanato Peculiar com realce para o produzido com: Pedra de Xisto, Barro (Vermelho e Preto), Madeira de Salgueiro, Arenito

  • Floresta, território com elevada % de Ocupação Florestal

  • Experiência de Trabalho em Comum

 

Factores de Atracção

  • Culturais/Patrimoniais: Encosta Norte da Serra da Lousã; Aldeias de Xisto; Património Histórico de relevância: Castelo de Arouce; Ermida Senhora da Piedade; Santuário do Senhor da Serra; Mosteiro de Santa Maria de Semide; Dólmen de São Pedro Dias;

  • Culturais/Imateriais/Eventos: Elementos à Solta; Confrarias; Feiras Locais com tradição (Artesanato, Mel e Castanha, Actividades Económicas)

  • Conceptuais: Turismo Acessível; Lendas e Mistérios (Peralta); alma serrana

  • Ambientais/Turísticas: GeoSítios identificados de elevado valor ambiental que formam a Bacia da Lousã: Altar do Trevim/Candosa ao Cabril/Gondramaz/Espinhal; Zona Classificada de Rede Natura 2000; Parque Biológico da Serra da Lousã; Rio Alva, Ceira, Dueça e Mondego; Praias Fluviais; Fauna (Corços e Veados); percursos pedestres; caçadas fotográficas

  • Gastronómicos: Chanfana; Negalhos; Cabrito; Migas Serranas; Mel da Serra da Lousã; Doçaria diversa; Licor Beirão; Vinho de Lamas

 

Conceito de “activos inimitáveis” do Território

A riqueza do Capital Simbólico

A INIMITABILIDADE diferenciação territorial positiva e factor de promoção da sua competitividade representação gráfica

 

 

Análise SWOT

Link/Acesso
Documento detalhado

23

Síntese da Análise Territorial

Link/Acesso
Documento detalhado

24

Diagnóstico Estratégico

Link/Acesso
Documento detalhado

25